sábado, 5 de dezembro de 2015

Falando do filme: Ted

  Ei ei gente! Hoje vim aqui falar do filme "Ted", que é bastaaante famoso, o que me levou a assisti-lo. Como nada que eu assisto/leio eu deixo de falar aqui, não poderia deixar de falar dele.
  De presente de natal, um simples garotinho, ganha um urso de pelúcia. Ele fica apaixonado por ele, o que o leva a não desgrudar do brinquedo. Até que, um dia de manhã, ele acorda falando e interagindo, mas que deixa os pais do menino completamente assustados, o considerando uma aberração. Porém, isso não afetou em nada na grande amizade que os dois haviam criado, e foram anos e anos se divertindo e sofrendo juntos.
  Lembram do meninho? O nome dele é John, e seu ursinho Ted, amadureceu junto dele. John, agora com cerca de 25 anos, tem uma namorada, que se chama Lori, que se da muito bem com o urso,  mas está cansada de ficar como segunda opção e estressada, diz que agora ele deve ter uma escolha entre os dois. Ted, um urso super "pra frente" fica ultra chateado/bravo, e vai morar em um apt. separado dos dois, correndo o alto risco de perder sua grande amizade.
  Agora cabe a John, decidir o que ele deseja. O resto, obviamente não vou contar.
  Eu não poderia escrever essa resenha deixando de informar a vocês: o filme é muito improprio, ja que, Ted se torna um urso relativamente safado e esta constantemente falando palavrões, então dependendo da sua idade, não recomendo.
  Mas, independente disso, o filme é pura comédia, e eu me diverti muuuito e dei altas gargalhadas, recomendo sim, retirando o fato falado no paragrafo acima.                                                                       

Uma curva no tempo

Ei ei gente!
Eu ganhei um livro da minha tia e eu amei por isso vim aqui resenha-lo para vocês
hoje!
Uma Curva no tempo é um livro onde a protagonista Rachel, nos conta sua intrigante história. Tudo começa quando ela e seus amigos estão jantando juntos num restaurante, para que assim possam se ver por mais uma vez antes de entrarem para a universidade e cada um seguir sua vida. No meio do jantar, Rachel e seus amigos avistam um veiculo desgovernado descendo a rua em rumo ao restaurante, e como eles estão na janela, rapidamente começam a correr para sair do alcance do automóvel. Porém, Rachel acaba ficando presa entre as mesas, e quando está prestes a sofrer um grave acidente, seu melhor e mais velho amigo, Jimmy, consegue salva-la do acidente, mas cometendo essa ação ele acaba mudando de lugar com Rachel, e sofre o acidente que o mata.
Cinco anos depois, Rachel é uma mulher que está passando por uma fase muito dificil da sua vida, estando com sérias dores de cabeça, e tendo que se preocupar com seu pai, que está com um caso muito grave e avançado de câncer.
Com o convite de casamento de sua melhor amiga Sarah, Rachel volta a sua cidade natal, onde haverá a cerimonia. E é em sua cidade natal que tudo acontece. Com o primeiro reencontro do velho grupo de amigos (com exceção de Jimmy), Rachel vê como tudo mudou. Matt, o mais bonito do grupo e o homem que já foi seu namorado na adolescência, agora era um profissional ocupado e namorava com Cathy, outra amiga de Rachel, mas que na verdade nunca passou de uma invejosa que sempre quis Matt para si.
Após uma longa noite de jantar onde todos os amigos conversavam sobre como suas vidas tinham mudado, Rachel acaba sofrendo um acidente enquanto está no cemitério ao lado do túmulo de Jimmy. O que ela não esperava era que quase ela acordasse sua vida tivesse mudado de cabeça para baixo. Ao acordar, Rachel percebe que há alguma coisa errada. Mas ela só se da conta de que há algo MUITO errado quando ela vê Jimmy vivo bem na sua frente, como se ele nunca tivesse sofrido aquele acidente. A partir dai, Rachel acaba descobrindo que ela foi parar em uma espécie de "segunda vida", onde houve o acidente mas ninguém morreu, onde seu pai e ela estão curados de qualquer doença, onde ela conseguiu se formar na faculdade de jornalismo, onde ela é casada com Matt e principalmente, onde Jimmy está vivo. O que dizer desse livro? Para falar a verdade nem eu sei. É muito dificil expressar com palavras seus sentimentos por algo que mexeu tanto com você, sabe? Esse livro conseguiu despertar em mim todos os sentimentos possíveis, e ainda alguns novos que eu nunca tinha sentido antes. Mais acima de tudo esse livro me trouxe um sentimento chamado paixão, mas não só pela história, mas também por tudo o que gira à meu redor.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Resenha do filme: Até que a sorte nos separe

Ei Ei gente!
Eu sei que nós ficamos um tempinho/tempão sem postar devido à correria do dia-a-dia, mas finalmente entramos de férias e dedicaremos ao blog esses dias.
Para começar eu escolhi um filme que revi hoje pela milésima vez, que é o até que a sorte nos separe, mas agora sem mais enrolações vamos a resenha:
Um casal de classe baixa se torna milionário de um dia para o outro depois que Tino, ganha na loteria. Após anos levando uma vida de pura ostentação ao lado da esposa Jane e seus dois filhos, com festas, viagens e gastos sem fim, Tino tem uma surpresa ao saber que sua conta está zerada, e que ele perderá muitos de seus bens. Ele terá uma opção para tentar reverter sua terrível situação: aceitar a ajuda de seu vizinho Amauri que é contador. O único problema é que ambos nunca se deram bem, porque um não é a favor do estilo de vida do outro. Amauri, que critica a vida desregrada e desordenada de Tino e o culpa pela ruína da família, vive um paradoxo interessante, o excesso de ordem e regras em sua própria vida estão a ponto de destruir seu casamento. Nasce aí uma oportunidade de ambos trocarem experiências e até formarem uma boa amizade.
 Realmente há grandes motivos para dizer que essa produção me surpreendeu. Além de não ter sido tão apelativa quanto a maioria dos filmes brasileiros, o humor não ficou tão ruim quanto eu imaginava, se considerarmos o fato de que foi um humorista da Globo, daqueles mais forçados, que estrelou o longa.  Mas, claro, o filme não tem lá grandes atributos, como originalidade e atuações brilhantes, por exemplo. Ele serviu para tirar umas boas risadas e bastou. Mas como comédia é uma coisa que realmente não se discute e não tem relação nenhuma com nível social, econômico ou intelectual, só tenho a dizer que o filme me agradou no momento em que o vi, e fico em cima do muro se alguém perguntar se eu o indicaria, porque acho que comédia é algo difícil de agradar a todos.


~Duda

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Falando do filme: Linda de Morrer

  Ei ei gente! Hoje vim aqui falar de um filme brasileiro, que achei excelente. Ele retrata a historia da Paula, uma cirurgiã plastica, em busca de acabar com as celulites terroristas.
  Assim, ela cria uma formula, que ao aplicada, acaba com tudo. Só que, para criar um clima no filme, a aplicação não da certo, e as pessoas que adquiriram começam a r mal e a ficar com os olhos avermelhados. Como todos os seus clientes, ela adotou a formula, em excesso. Em uma festa importante, com todos os familiares e conhecidos presentes, ela tonteia na escada e desmaia, na verdade, falece. Todos ficam em choque, mas de alguma forma, sua alma volta para a terra, e apenas um garoto, psicologoneto de uma grande amiga tambem falecida pode entende-la e ve-la, e é a partir dele que ela diz tudo que é necessário e o "passa" tudo que ele deve fazer por ela, para que assim, somente assim, consiga subir ao céu. Claro que, ela começa a atormenta-lo em um nivel absurdo e tudo esta dando errado, exatamente ao contrario do que deveria ser.
  Agora cabe a ele, a boa vontade e a coragem para realizar todos os pedidos da "alma penada".
  E a historia, sem spoilers, é basicamente essa.
  É tudo por meio da comedia, trazendo aos espectadores muuuita risada. Eu, particulamente, me diverti muito, das grandes besteiras e descontrolamentos que Paula fazia com o pobre coitado do seu ajudante na terra,
  O fiilme quando assisti, estava no cinema, porem agora ele ja esta disponivel no netflix.
  ATENÇÃO: O site aqui indicado, MegaFilmes HD esteve um tempo fora do ar, porem agora ele ja esta de volta com um novo dono, sendo assim podem ir assistir. 
  Espero que gostem!
                                                                        ~Debs

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Resenha do livro: Quando Tudo Começou

  Ficha Tecnica
Titulo:Quando Tudo Começou
Autora: Bruna Vieira
Editora: Nemo
Preço: Aproximadamente R$ 35,00

Nº de páginas: 79
  
  Ei ei gente! Hoje vim aqui falar de um livro bastante real, da incrivel Bruna Vieira. Sei que, infelizmente, muitas meninas vão se identificar.
  Bruna Vieira não esconde nada de toda a triste história que passou na infância e adolescência. Com traços leves nas imagens e causando interagindo bastante com os leitores. Sem duvidas, me senti dentro da historia, ao lado da protagonista, a própria Bruna. Além de eu achar o livro suuper girl power!
  Bruninha esta iniciando um novo ano letivo em uma nova escola. Ela é muito timida, então grandes desafios estavam a caminho. Quantos pensamentos a perturbavam, quantas expectativas. Como seria afinal, o grande dia? Ela não iria ser a menina mais popular da escola, afinal, sua aparência na sociedade não era muito bem aceita. Seu cabelo era encaracolado, ela usava oculos, era vesga e muito desastrada. Ela já havia sofrido bullyng. :( Além disso, o irmão ainda havia colocado um pouco de pressão em cima dela, para não "estragar" o nome da família. Como aquela menina tão fofa seria capaz disso? Ela estava insegura, e com razão, depois de tudo que passou.
  Eu normalmente faço uma coletânea de pontos negativos e positivos.
  Positivos: História MUITO interativa, com pags para o próprio leitor expressar suas ideias etc, e os desenhos são lindos, e tem tudo a ver com a história.
  Negativos: Preço muuito caro para um livro muito simles. Não que ele não mereça ser valorizado, mas 35 reais para um livro curto e de capa mole, é bastante caro.
  No geral eu gostei demaais do livro e não tenho como não recomendar. Espero que gostem da leitura!

                                 
                                                                       ~Debs
 

sábado, 7 de novembro de 2015

Falando sobre: Sites onlines para assistir filmes de graça

  Ei ei gente! Bom, como eu sei que muitos aqui não possuem netflix e nem sempre encontram aquilo que eu indico, resolvi vir falar dos melhores sites para assistir tudo de graça.PS: Neste post posso NÃO indicar sites, como uma forma de prevenir vocês.
  @ Mega Filmes HD: O site realmente, possui TUDO. Temporadas que estão em gravações já estão nele, eu, mesmo tendo netflix, sempre vou no site dar uma espiadinha na continuação da serie que ainda não saiu no meu vermelhinho. Porém, a imagem não é muito boa, e para conseguir assistir aquilo que deseja, é necessário ter muita paciência, pois é um longo processo, e sugiro que entrem no site se tenham algum antivírus, porque podem encontrar alguns "amiguinhos" no caminho.
  @Pop Corn Time Brasil: O site, não é bem um site. Bom quase isso. Você joga no google o nome que coloquei e clica no link. Logo, irá aparecer um "download" e instala no computador. Para assistir, é necessário apenas uma boa conexão de internet. O site é maravilhoso, muito seguro (mas de qualquer maneira ainda indico um antivírus) e a imagem não é ruim quanto se imagina por causa do preconceito com sites como esses em questões visuais.
  @Filmes Online Grátis: O site tem uma facilidade enorme para assistir aquilo que deseja, além de ter TUDO disponível. Por exemplo, uma serie acabou de ser lançada pela fox, hoje, a uma hora atrás, garanto que tudo já estará lá para assistir, O site é seguro e as imagens não são ruins.
  @YouTube: Ninguém que está aqui não conhece o youtube. Eu sei, a maioria usa o site para ouvir músicas ou assistir videos em canais de conteúdos, mas, o youtube também possui muuitos filmes completos e dublados para assistir. Além de ser seguro, e a imagem normalmente boa, mas isso depende de quem publicou o filme.
   @ Vegas Filmes: O site também possui tuuuuudo, e a busca é facinha, e nunca recebi um alerta de meu antivirus em relação a ele. Eu dei uma "fuçada" nele para indicar para vocês, e não vi nada de errado, já recebi muitas indicações dele, mas, sugiro a vocês, que entrem caso tenham um antivirus, porque para o seu computador, todos os sites como esses são muito delicados, e é necessário bastante atenção para que não estrague tudo.
  E é isso gente! Eu não falei mal de nenhum, até porque, os que achei que não devem ser acessados, seria melhor nem falar, para que vocês ficassem apenas com o conteúdo bom. Espero que gostem!
                                                                       ~Debs
 

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Resenha: Carta e amor aos mortos

Livro: Cartas de Amor aos Mortos
Título original: Love Letters to the Dead
Autor (a): Ava Dellaira
Editora: Seguinte
Páginas: 344
Laurel é uma garota que acabou de entrar no ensino médio, mas que possui traumas que percorrem um longo caminho. Ela recentemente perdeu a irmã mais velha, a quem ela glorificava, e tal impacto apenas agravou os outros problemas da jovem: a solidão, a falta que sente da mãe, a culpa de ter sido quem viveu. Sua mãe, recém divorciada, se muda para a Califórnia para "dar um tempo", e deixa sozinha com o pai — que a ama, mas que não é bom em demonstrar sentimentos — e é assim que Laurel se vê completamente sozinha.
É a partir de uma proposta de sua professora de inglês que Laurel começa a escrever cartas para seus ídolos já falecidos. Como uma pessoa tímida que não possui nenhum amigo nessa escola nova, Laurel acaba se refugiando nessas várias cartas, que, como um diário, narram seu dia a dia e revelam seus pensamentos sobre os mais diversos assuntos. Desse modo, conhecemos o pesar, o luto e a saudade que permeiam os pensamentos da jovem, e como ela, aos poucos e a sua maneira, vai se abrindo para revelar seus sentimentos.
Pessoalmente, sempre tive dificuldades para lidar com a morte. Minha vaga experiência com ela é algo distante, sem lembranças claras, e, desde então, sou grata por nunca mais ter perdido alguém — e minhas lembranças sobre o fato não são nada prazerosas. Se eu precisasse resumir o que Cartas de Amor aos Mortos retrata em uma palavra, essa seria luto. Ao mesmo tempo, me sinto obrigada a afirmar que a obra vai um pouco além disso: a saudade, a dor, a solidão e o modo de cada um de superar esses sentimentos são temas recorrentes, e emocionantes.
Em primeiro lugar, preciso afirmar que, de cara, achei a metáfora para Laurel — uma menina tão introvertida — expressar seus sentimentos genial. Trata-se de alguém com traumas, que lida com a morte e a dor, e quem melhor para conversar sobre isso do que personalidades a quem ela idolatra? Melhor ainda: ídolos que tem sua quantia de dor e sofrimento, e que lidaram com os mais diversos traumas, assim como a menina, mas que — cada um a seu modo — conseguiram se libertar do sofrimento; mesmo quando tal saída não foi a mais fácil.
A grande jogada do livro é a seguinte: May está morta. May, a irmã mais velha, a inspiração, a melhor amiga de Laurel. May, a quem a caçula sempre admirou por ser talentosa, corajosa, extrovertida e invencível. Quem sempre pareceu acima de tudo e de todos, quem sempre pareceu poder abrir as asas e sair voando; que era tudo que Laurel nunca foi e sempre quis ser. A grande metáfora, creio eu, é que, assim como May, os ídolos de Laurel — que também sofreram em suas vidas — estão mortos, e é através deles que a menina acha um modo de se comunicar com a irmã perdida e com si mesma.
O livro é narrado em primeira pessoa por Laurel, no qual cada capítulo é como uma carta redigida para uma diferente personalidade famosa. Assim, além de ficarmos cientes dos pensamentos e sentimentos de Laurel, conhecemos um pouco sobre a vida — e não apenas como "famosos", mas como seres humanos — de ídolos como Kurt Cobain, River Phoenix, Amelia Earhart, Judy Garland e Amy Whinehouse. É como se o livro fosse um grande diário, já que dá detalhes da rotina e dos acontecimentos da vida da protagonista, ao mesmo tempo em que serve como um desabafo para ela.
Achei incrível a maneira como, a cada capítulo ao falar sobre uma das personalidades, a autora soube trazer seus problemas para a história de um modo genial. Os problemas pessoais e públicos de cada um dos citados foram tão facilmente englobados, e, mais do que isso, dados como algo tão tangível a realidade de alguém comum, alguém como Laurel, que é emocionante. Além disso, a maneira como cada pequena coisa se encaixa no final me deixou impressionada.
De fato, não tenho reclamações graves para fazer da obra. O único real defeito que posso citar, creio eu, é relacionado ao ritmo do livro. Tive certas dificuldades em prosseguir com a leitura durante boa parte da obra, que, para mim, sempre pareceu um pouco maçante, repetitiva demais. Não é que eu não estivesse gostando da história — na realidade, por mais eu adorasse a história em si e a maneira como ela narrada, não conseguia deixar de achar o livro extenuante. Depois de terminar a leitura, percebi que grande parte de toda essa repetição era proposital. Lembro-me de que, em certas passagens, de tanto, chegava a ser irritante o modo como Laurel glorificava May, e como falava sobre como ela boa em tudo, sabia tudo e enfrentava tudo; coisas que, na opinião de Laurel sobre si, ela nunca seria. Só é possível entender o livro como um todo no final, e gostei bastante do modo como a história foi construída depois de ter sido possível entender essas nuances e detalhes.
Algo interessante sobre Cartas de Amor aos Mortos são seus personagens. Laurel, que por si já é cheia de nuances e mostra ao poucos sua personalidade, e May, a irmã mais velha a quem ela glorifica, mas que conseguímos notar pelos flashbacks que não era tão perfeita assim, são respostas óbvias. Me chamou a atenção, assim, como não apenas os protagonistas, mas cada personagem, são extremamente bem construídos, cheios de defeitos, qualidades e problemas.
É uma coisa difícil de se encontrar, em minha opinião: um livro no qual os personagens secundário possam, sim, defeitos e qualidades. É raro vermos tais defeitos e problemas daqueles que não são protagonistas evidenciados — afinal, é fácil focar apenas no principal —, ao mesmo tempo que não se fale tanto assim dele. Isso, essa realidade presente nas personalidades, foi algo que me agradou e me impressionou sobre a escrita de Dellaira.
Por fim, Cartas de Amor aos Mortos é um livro dramático, mas que consegue ser extremamente profundo. Com uma narrativa e metáforas quase poéticas, é um livro que consegue demonstrar de maneira perfeita e sincera o amor, e a dor que vem atrelada a ele. Por mais que possua suas limitações, acredito ser um livro sincero sobre a descoberta de sentimentos, e que vale a leitura.